quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Manuel da Telheira com ela tesa

Certo dia corria Manuel da Telheira perto dos campos da Rodovia, quando foi apanhado por um homem embriegado em puro passeio. Manuel da Telheira acabara por morrer com ela tesa (com a sua carteira).

Tiago Silva

2 comentários:

Tiago Silva disse...

MANUEL DA TILHEIRA COM ELA TESA.

Certo dia Manuel da Telheira corria perto dos campos da Rodovia.
Era um dia como os outro ele corria com a sua maior concentração como fazia todos os dias, já corria por aquelas bandas há cerca de 12 anos. Manuel da Telheira gostava sempre de levar os seus bens para não deixar no seu fabuloso carro Renault cinco sem fundo, ele tinha medo de ser roubado e perder os seus preciosos bens.
Naquele dia ele sentia-se bastante alegre, Manuel tinha um grande motive por essa alegria, pois tinha nascido o seu neto da sua filha Maria.
Corria com a felicidade estanpada no rosto, era avó naquele momento, sem duvida um dia para decorar, mas nem pensava o que lhe ia acontecer.
Manuel ia ter com os seus fiéis amigos que se encontravam na barraquinha do Zé das Bifanas, era o ponto de encontro de todos os seus fins-de-semana, corria ele pelo passeio como era habitual quando de repente e sem ninguém contar, um carro atravessasse com uma enorme velocidade em frente a Manuel da Telheira e acabara por atropela-lo.
Manuel acabara por morrer com ela tesa (sua carteira), tudo indicava que o autor deste acidente estava embriagado e onde fugia da policia a alta velocidade, contudo Manuel da Telheira sem ter nada haver com este assunto, acabara por ser vitima desta grande tragédia.

Tiago Silva disse...

MANUEL DA TILHEIRA COM ELA TESA.

Certo dia Manuel da Telheira corria perto dos campos da Rodovia.
Era um dia como os outro ele corria com a sua maior concentração como fazia todos os dias, já corria por aquelas bandas há cerca de 12 anos. Manuel da Telheira gostava sempre de levar os seus bens para não deixar no seu fabuloso carro Renault cinco sem fundo, ele tinha medo de ser roubado e perder os seus preciosos bens.
Naquele dia ele sentia-se bastante alegre, Manuel tinha um grande motive por essa alegria, pois tinha nascido o seu neto da sua filha Maria.
Corria com a felicidade estanpada no rosto, era avó naquele momento, sem duvida um dia para decorar, mas nem pensava o que lhe ia acontecer.
Manuel ia ter com os seus fiéis amigos que se encontravam na barraquinha do Zé das Bifanas, era o ponto de encontro de todos os seus fins-de-semana, corria ele pelo passeio como era habitual quando de repente e sem ninguém contar, um carro atravessasse com uma enorme velocidade em frente a Manuel da Telheira e acabara por atropela-lo.
Manuel acabara por morrer com ela tesa (sua carteira), tudo indicava que o autor deste acidente estava embriagado e onde fugia da policia a alta velocidade, contudo Manuel da Telheira sem ter nada haver com este assunto, acabara por ser vitima desta grande tragédia.