quinta-feira, 16 de outubro de 2008

A sorte do cavalo

Era uma vez um cavalo que galopava muito sobre os campos. A certa altura, partiu as patas da frentes. O seu dono correu directo ao veterinário e vendo a melhoria do cavalo ficou contente.
Fábio

2 comentários:

Anónimo disse...

Em certa altura, trovante, o melhor cavalo que o equitador Manuel Ferreira tinha para exercer a sua profissão, estava a treinar para uma competição.
Dada a idade do cavalo, e depois de duas horas de treino, o seu dono soltou-o para este passear sobre a fazenda que era composta por vinte cinco mil hectares de terreno. Com tal alegria, trovante corria a uma velocidade louca.
Enquanto o cavalo passeava e aliviava o stress do treino, Manuel encontrava-se em casa com a família a almoçar. Nisto, entra o filho mais novo, João, que se dirige ao pai e pergunta:
- Pai? (perguntou o pequeno)
- Sim filho. (respondeu o pai)
- Não achas que já passou demasiado tempo que o trovante esta fora? (perguntou João com cara de preocupado)
- Também acho que sim João. Já faz muito tempo que ele saiu, já escureceu e até agora não deu qualquer sinal. (respondeu Manuel também desassossegado)
- Não achas que devíamos ir procura-lo pai? Tenho um mau pressentimento dentro de mim. (perguntou cada vez mais inquieto João)
- Descontrai filho. Esta tudo bem. Ele deve estar um pouco estafado e por isso é que até agora não deu sinal. (disse o pai para descontrair o filho apesar do próprio se encontrar bastante nervoso)
- Tenho um mau pressentimento dentro de mim. Vamos pai por favor. (implorou cada vez mais inquieto João)
- Vamos! Não te quero ver assustado João. (disse o pai)
Dada a palavra do pai, saíram ambos de moto para percorrer toda aquela enorme fazenda. Já era tarde, a noite cada vez mais escurecia, o frio apertava e eles continuavam à procura do trovante. Mais tarde, João grita

Fábio Rodrigues disse...

Em certa altura, trovante, o melhor cavalo que o equitador Manuel Ferreira tinha para exercer a sua profissão, estava a treinar para uma competição.
Dada a idade do cavalo, e depois de duas horas de treino, o seu dono soltou-o para este passear sobre a fazenda que era composta por vinte cinco mil hectares de terreno. Com tal alegria, trovante corria a uma velocidade louca.
Enquanto o cavalo passeava e aliviava o stress do treino, Manuel encontrava-se em casa com a família a almoçar. Nisto, entra o filho mais novo, João, que se dirige ao pai e pergunta:
- Pai? (perguntou o pequeno)
– Sim filho. (respondeu o pai)
– Não achas que já passou demasiado tempo que o trovante esta fora? (perguntou João com cara de preocupado)
– Também acho que sim João. Já faz muito tempo que ele saiu, já escureceu e até agora não deu qualquer sinal. (respondeu Manuel também desassossegado)
– Não achas que devíamos ir procura-lo pai? Tenho um mau pressentimento dentro de mim. (perguntou cada vez mais inquieto João)
– Descontrai filho. Esta tudo bem. Ele deve estar um pouco estafado e por isso é que até agora não deu sinal. (disse o pai para descontrair o filho apesar do próprio se encontrar bastante nervoso)
– Tenho um mau pressentimento dentro de mim. Vamos pai por favor. (implorou cada vez mais inquieto João)
– Vamos! Não te quero ver assustado João. (disse o pai)
Dada a palavra do pai, saíram ambos de moto para percorrer toda aquela enorme fazenda. Já era tarde, a noite cada vez mais escurecia, o frio apertava e eles continuavam à procura do trovante. Mais tarde, João grita desesperadamente pelo pai. Este tinha encontrado o cavalo.
O cavalo tinha caído a um precipício ao qual não estava vedado.
Manuel também desesperado por ver o seu melhor cavalo a sofrer de dores, correu buscar um carro para levar o cavalo para o veterinário que se dirigiu apressadamente.
Chegado ao veterinário, trovante foi submetido a uma intervenção cirúrgica urgente.
Depois de algumas horas de espera, eis que chega o veterinário e diz:
- A operação foi um sucesso. (diz o veterinário com um sorriso nos lábios)
Após estas palavras Manuel pergunta:
- O que é que ele tinha senhor doutor? (pergunta ele muito contente)
- Ele tinha as duas patas da frente fracturadas, duas costelas fracturas e algumas nódoas negras.
- E vai demorar muito tempo a recuperar senhor doutor? (perguntou João ansioso de tornar a ver trovante em casa).
- Sim vai demorar algum tempo para este ficar totalmente recuperado, pois caso não aconteça este pode ficar com algumas anomalias na sua estrutura.
- Ok. Muito obrigado pelo sua excelente empenho na cirurgia. (agradeceu Manuel).
- Não tem que agradecer. Não fiz mais do que o meu dever, não é por acaso que sou veterinário. (acrescentou o veterinário)
Três meses depois, trovante chega a casa com um novo ar e pronto para defrontar novas provas.